Escolha uma Página

Por isso as cartas do Vaticano ficavam na cozinha de Casaldáliga

Viver ou frequentar a casa de um bispo sem ter tido muito contato prévio com a Igreja é descobrir que existe um mundo paralelo ao nosso, ao dos “não-religiosos”. Se o nome desse bispo é Pedro Casaldáliga e a sua casa está em uma pequena cidade da Amazônia, os dias passam de novidade em novidade. No mínimo.

5 de novembro de 2019

A vida de Pedro Casaldáliga

Na casa do bispo Pedro chegam muitas comunicações. Todos os dias, de manhã, o Paulinho, funcionário da Prelazia, trazia as mais variadas correspondências: cartas de todo jeito, revistas, livros, jornais, folder…

O Pedro é assinante de muitas publicações, do Brasil e de outros lugares do Mundo. Ele gosta de estar sempre “ligado” às informações e atento ao que está acontecendo ao seu redor.

O Paulinho leva até o pequeno guixé dos correios de São Félix do Araguaia todas as cartas que o bispo Pedro coloca na primeira gaveta da salinha da casa dele. É o ritual diário, perfeitamente sincronizado, que se repete faz muitos anos: a caixa postal 05, a caixa do “bispo Pedro”, está sempre lotada na pequena agência postal de São Félix do Araguaia.

Ser comunicação…vaticana

O Pedro Casaldáliga sempre disse que, se não fosse bispo, gostaria de ter sido jornalista. Sempre teve muita clareza de que explicar qual era a situação de peões, indígenas e posseiros; desvendar o que acontecia no Araguaia, na Amazônia, no Brasil e na América Latina -a Pátria Grande; e manter constante “comunhão-comunicativa” com as pessoas “daqui e de lá”, eram tarefas que faziam parte das suas obrigações.

Por isso, a sua obra escrita têm de mais de 50 peças, entre prosa e poesia, concedeu centenas de entrevistas e respondeu milhares de cartas, primeiro manuscritas, depois na velha Olympia e mais tarde no computador. Além do mais, todos os anos, o Pedro enviava “Cartas Circulares” para a equipe de Prelazia e para amigos do Brasil e do exterior onde colocava a sua reflexão sobre os fatos mais destacados do ano.

«Penso que escrever sempre foi tipo o meu carisma. Eu gosto, sai de mim, preciso fazê-lo. Acredito na Palavra de Deus e nas nossas palavras para comunicar a Boa Nova. Escrever sempre me pareceu um dom apostólico e o eu tenho agradecido a Deus desde os meus anos no seminário e em meus tempos de jovem padre.»

Pedro Casaldáliga

1983

Mas no meio de todos esses livros, revistas e cartas, de tempos em tempos, havia uns envelopes que me chamavam atenção (como não!): aqueles que tinham o selo do Vaticano no envelope.

Eu não estou acostumado a receber cartas. Bom, só do banco…e, mesmo sem querer, uma carta com o logotipo do Vaticano desperta certa curiosidade, né?…mas foi por pouco tempo.

O “secretum pontificium” no quadro de avisos da cozinha

Sentado na mesa de madeira escura na área de casa, Casaldáliga ia abrindo delicadamente as correspondências do dia: aquelas que exigiam resposta, em uma pilha; aquelas que eram para o arquivo, em outra; aquelas que demandavam uma leitura mais demorada, em outra…tudo em ordem. Todas as cartas em vários montinhos coroados por pequenas figurinhas de pedra, para protegê-las do ar do ventilador.

No final, aquela figura magra, vestindo sempre calça de veludo -mesmo nos 32 graus constantes do Mato Grosso, camisa e chinelos, se levantava, pegava um alfinete e pendurava no painel de cortiça da cozinha os documentos que julgava de interesse de toda a comunidade: tudo aquilo que era necessário saber, incluindo avisos e cartas oficiais do Vaticano.

Em 2003, ao completar 75 anos, Pedro Casaldáliga apresentou a sua renúncia como bispo, conforme sugerido pelo Direito Canônico. O que aconteceu depois foram momentos tensos e de incerteza. Ninguém sabia quem seria o novo bispo e nem qual seria a linha dele. Substituir Casaldáliga após 30 anos era um desafio e tanto! Foi solicitado, insistentemente, que o Vaticano escutasse a equipe que trabalhava na região antes de decidir…que a decisão não viesse “de cima”….impossível. O que aconteceria com o trabalho de Casaldáliga? Quem seria o novo bispo? Eram momentos de angustia.

Nesse contexto de expectativa, chegou uma carta com o selo do Vaticano. Uma daquelas. A carta comunicava oficialmente o nome do novo bispo e continha claramente a indicação de manté-la sob “segredo pontificio”. Em menos de 15 minutos,  o “secretum” havia sido revelado: a carta em que se comunicava o nome do novo bispo da Prelazia estava curtindo o painel de cortiça da cozinha, para ser lida por todos/as que freqüentavam a casa do Pedro: afinal, saber quem seria o novo bispo não era de interesse de toda a cidade?

A “segredo pontifício” comunitariamente melhor preservado; o exercício episcopal radicalmente partilhado com o povo.

ASSINE O BOLETIM

Conheça Pedro Casaldáliga
e as suas causas

TALVEZ VAI ACHAR INTERESSANTE

Carta aberta ao irmão Romero

Carta aberta ao irmão Romero

No dia 24 de março de 1980, Óscar Romero foi assassinado em El Salvador enquanto celebrava missa. A morte de Romero marcou profundamente à Igreja e a Sociedade latinoamericana. No 25º aniversário de sua morte, Pedro Casaldáliga lhe escreveu esta emocionante carta.

Frutas de vida: a iniciativa de luta contra a pobreza de dá certo

Frutas de vida: a iniciativa de luta contra a pobreza de dá certo

Viver na terra em um ambiente onde mais de 80% da vegetação foi destruída não é fácil: a água é escassa e o sol queima o solo, impedindo as plantas crescerem. No entanto, 250 famílias de camponeses e indígenas estão conseguindo renda plantando e colhendo frutas e fazendo polpa congelada. É assim que eles fazem.

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies