Entrevista às irmãs de Pedro Casaldáliga

Entrevista às irmãs de Pedro Casaldáliga

Entrevista às irmãs de Pedro Casaldáliga

Carme e Maria Casaldáliga viram seu irmão Pedro partir para a Amazônia aos 40 anos. Nunca mais voltou para casa. Da Plaça Ricard Viñas nº 10, na cidade de Balsareny, onde a família mora, as irmãs de Pedro Casaldáliga nos contam como têm vivido os mais de 50 anos de vida dedicados à defesa dos mais pobres de seu irmão.

20 de outubro de 2020

A vida de Pedro Casaldáliga

[Entrevista realizada em julho de 2020, poucos dias antes do bispo Pedro falecer]

Pedro Casaldáliga, com 11 anos, ou mesmo antes, tinha clareza que queria ser padre. Como a família acolheu essa decisão de um menino de 11 anos?

Carme: Ele sempre dizia que queria ser padeiro, mas tinha um padre que frequentava o Cortès del Pi (uma casa rural onde moravam primos do Pedro) e contava muitas histórias e também coisas da Guerra Civil e isso fez ele decidir ser padre. Ao entrar no seminário de Vic, logo pediu para ser missionário claretiano. Escreveu uma carta aos nossos pais contando.

Carta que en Pere Casaldàliga envià a la seva família des del seminari

Carta do seminário para sua mãe, Montserrat Pla. Imagem: Família Casaldáliga. Seleção: Cercle Cultural de Balsareny.

Como era o Pedro durante sua infância? Parece que já sendo adolescente tinha muita firmeza em suas ideias.

Carme: Ele era brincalhão como as outras crianças daqui, mas ele não gostava de brigas de jeito nenhum. Aqui em casa vinham muitas crianças brincar no telhado porque era grande. Lembro-me dos irmãos do Cal Paquela (Bonet), dos Vilelles … E se havia brigas, ele sempre tentava fazer as pazes.

Pere Casaldàliga (al cercle) d'excursió

Excursão de Pedro Casaldáliga (no círculo) e seus amigos de infância. Imagem: Família Casaldáliga. Seleção: Cercle Cultural de Balsareny.

O seu tio Luís, que também era padre, foi assassinado durante a Guerra Civil Espanhola enquanto tentava se esconder. Diz-se que esse fato, somado ao vínculo que o Pedro mantinha com seu tio Luís, o influenciou no modo como enfrentou a vida. Foi isso mesmo?

Carme: Sim, com certeza. O fato do nosso tio Luís ter sido assassinado na guerra, aqui perto, foi decisivo para o Pedro.

Maria: Em casa, nossos pais e a família não queriam falar muito nesse assunto; mas o tio Luís era muito jovem (33 anos) e foi um grande impacto para toda a família.

Assine o BOLETIM com conteúdos exclusivos

Gostou?

Conheça MAIS sobre Pedro Casaldáliga e seu trabalho na Amazônia.

Feito desde o Araguaia e desde Barcelona!

Quando Pedro Casaldáliga partiu para o Brasil como missionário em 1968, como se despediu de sua família e vocês dele?

Carme e Maria: Ele se despediu de todos e foi visitar parentes de outros lugares. O Luís de Cal Pastisseret o acompanhou. A Mercè de Cal Pastisseret nos contou que estando em Candáliga [a casa rural da família], do alto da escada, ele disse: «Deixe-me olhar com atenção, pois nunca mais verei este lugar.»

Todos pensaram que ele voltaria em pouco tempo, mas ele nunca mais voltou. Só nos encontramos novamente em Roma vinte anos mais tarde.

A Antonia de Ca l’Arnaus e o tio Jaumet de Cal Peret sempre disseram que ele seria bispo. A Antonia usava sempre um anel e dizia que quando ele fosse bispo, aquele anel seria para ele. Eram muito amigos com a Antonia. Foi uma despedida muito familiar. Todos pensaram que ele voltaria logo, mas ele nunca mais voltou. Nos encontramos novamente em Roma vinte anos mais tarde.

Pere Casaldàliga celebra la seva primera missa com a capellà a Balsareny

Pedro Casaldáliga depois de celebrar a sua primeira missa -como padre- em Balsareny. Imagem: Família Casaldáliga. Seleção: Cercle Cultural de Balsareny.

Uma vez lá, no interior do Mato Grosso, em São Félix do Araguaia, ele realmente foi ciente da complicada situação daquela região. Como ele contava para vocês da situação de lá? Como vocês viveram esses primeiros anos dele no Mato Grosso?

Carme : recebíamos uma carta a cada dois meses ou às vezes demorava mais. Algumas não chegaram. Imediatamente vimos que a situação era muito difícil, pois ele nos contava nas cartas. A gente partilhava as cartas com os demais membros da família e também com os vizinhos. Aquelas cartas eram esperadas por todos!

Maria : Sobretudo quando encontrou tantas crianças mortas: isso ele nos contou logo. Só chegar lá, já deram para ele crianças mortas para sepultar.

A cada cinco anos eles poderiam vir; mas ele não o fez, porque se ele viesse não o deixariam entrar novamente.

Carme : Ele disse: «Tenho que ter muito cuidado agora, porque eles também querem me matar.» Mesmo assim, ele não falava abertamente nas cartas, pois sabia que as mesmas eram lidas pela ditadura. Também chegava informação dos padres que estavam com ele, Pedrito, José Maria, Manuel e de outras pessoas que viviam com ele e vinham nos visitar. Os vizinhos da praça onde moramos, ao verem uma pessoa desconhecida, falavam: «mais uma visita do Padre Pedro», e indicavam para eles a nossa casa. Às vezes eles iam para o Brasil de barco e aproveitavam para levar muitas coisas que precisavam. A cada cinco anos eles poderiam vir; mas o Pedro não veio, porque se ele deixava o Brasil, não o deixariam entrar novamente.

Assine o BOLETIM com conteúdos exclusivos

Gostou?

Conheça MAIS sobre Pedro Casaldáliga e seu trabalho na Amazônia.

Feito desde o Araguaia e desde Barcelona!

O Pedro sempre dizia que «o bom humor é amigo da esperança». Em muitas entrevistas ele expressa com alegria e cordialidade a sua mensagem de esperança em defesa da justiça, da liberdade, da paz e do amor. Esse jeito brincalão faz parte do DNA Casaldáliga? Ou é uma virtude que se manifestava e se acentuava no Pedro?

Carme : É o seu estilo. Ele sempre estava animado e alegre. O restante de nós não somos tão de brincar. Ele levava a alegria muito dentro.

Maria : Tem outras coisas que sim levava da família: o nosso pai também gostava muito de cinema e se interessava pela cultura. Ele lia o jornal todos os dias. Varias vezes foi ao cinema em Manresa e até ia caminhando para a Biblioteca de Sallent, pois aqui não tinha.

Sabíamos que havia repressão e que havia perigo, mas a notícia da morte de João Bosco nos assustou ainda mais.

O assassinato do mártir João Bosco em 1976, quando foi confundido com o bispo Casaldáliga, além de ter causado indignação e tristeza; fez vocês perceber de uma maneira diferente as ameaças que o Pedro teve que enfrentar?

Maria : Nos primeiros anos já vimos que as cartas eram lidas e por isso ele não colocava o nome de Casaldàliga, pois teriam ficado com elas. Já vimos que havia repressão e que havia perigo, mas quando ficamos sabendo da morte de João Bosco sentimos muito mais medo. Pensávamos muito nisso, mas infelizmente, não podíamos fazer muito…

A vovó sofreu muito com o fato de seu tio não ter voltado e ela estar tão longe. Quando ela já estava muito desorientada, muitas vezes a ouvíamos gritar da sala: “Peter, Peter …!

Se passaram 20 anos desde que seu irmão Pedro foi embora de Balsareny e se encontraram por primeira vez em todo esse tempo em Roma. Como foi esse encontro?

Carme: Foi muito emocionante. A gente sempre o levava no pensamento, mas ter a oportunidade de se encontrar novamente com ele… faltaram dias. Além disso, como somos muitos na família, todos queríam estar com ele e falar com ele. Partilhamos muitas lembranças e conversamos muito. Em um restaurante onde almoçamos, nos contou que nunca mais tinha comido berinjela…

Sobrinhas:  Fazia muitos anos que não o víamos e algumas de nós nem o conhecíamos: era a primeira vez que o víamos. Foi um reencontro e logo se fez muito próximo, como se tivéssemos nos encontrado recentemente, pelo jeito que ele era e também porque se falava muito dele em casa: a nossa avó falava dele todos os dias.

Pere Casaldàliga amb la seva mare, al nadal de 1966

Pedro Casaldáliga com a mãe, no Natal de 1966. Imagem: Família Casaldáliga. Seleção: Cercle Cultural de Balsareny.

Carme: A mãe pedia para as meninas fazer uma prece: «Santo Antônio do porquinho, ajudai meu pai; Santo Antônio Maria Claret ajudai meu tio». Nós sabíamos que ele queria estar lá no Mato Grosso; sabíamos que era isso que ele gostava e sempre o apoiamos.

Maria: Quando minha mãe estava muito doente e muito confusa, lembro que um dia, vendo uma foto que tínhamos do Pedro, ela começou a dizer: «Esse Pedro, esse Pedro … , que nunca vem nos visitar!»

Sobrinhas: a vovó sofreu muito com o fato de seu filho não ter voltado e ela estar tão longe. Quando ela já estava muito velinha, muitas vezes a ouvíamos chamar ele do quarto: «Pedro, Pedro, …!».

 

Entrevista feita por Jordi Vilanova e publicada na revista El Sarment em julho de 2020

 

INSCREVA-SE NO BOLETIM

Conheça Pedro Casaldáliga
e as suas Causas

MAIS RECENTES

Entrevista às irmãs de Pedro Casaldáliga

Entrevista às irmãs de Pedro Casaldáliga

Pedro Casaldáliga se despediu de sua família aos 40 anos. Nunca mais pisou a sua terra natal. Em uma época em que as comunicações eram muito precárias, como aquela família mais próxima viveu a decisão do bispo Pedro?

ler mais

4 momentos imprescindíveis da despedida de Casaldáliga

4 momentos imprescindíveis da despedida de Casaldáliga

4 momentos imprescindíveis da despedida de Casaldáliga

Muitas têm sido as celebrações de despedida e homenagem a Pedro Casaldáliga. Organizações, igrejas, movimentos sociais, grupos e muitas comunidades se lembraram com carinho da figura de Pedro.

Aqui estão alguns dos mais representativos.

12 de setembro de 2020

A vida de Pedro Casaldáliga

Sepultamento em São Félix do Araguaia

O Centro Comunitário “Tia Irene” testemunhou o funeral do Pedro Casaldáliga no Araguaia. Na noite anterior, todo o seu povo teve a oportunidade de se despedir de Pedro em uma vigília repleta de poesia, música e esperança.

No dia seguinte, 12 de agosto, foi realizado o funeral, seguido do sepultamento no Cemitério Karajá, próximo ao Rio Araguaia.

Missa fúnebre em Balsareny

Na cidade onde Pedro nasceu e onde ainda mora uma boa parte da sua família, em Balsareny, no dia 15 de setembro se fez uma missa-funeral, em uma celebração austera e ao mesmo tempo acolhedora.

Para além dos parlamentos e das memórias emocionantes, é de destacar que foram colocados tanto o altar como o exterior da igreja, para além de um retrato do Pedro Casaldáliga, vários elementos carregados de simbolismo que representam a vida do bispo.

Homenagem de movimentos sociais do Brasil

Vários movimentos sociais no Brasil que Pedro Casaldáliga ajudou a criar e, em alguns casos, liderou, prestaram homenagem ao bispo um mês após sua morte.

Um vídeo com muitas testemunhas falando sobre o legado de Casaldáliga no Brasil.

Tributo da Argentina

Coordenado pelo Centro Nueva Tierra , uma ampla gama de organizações argentinas também prestaram homenagem a Pedro Casaldáliga.

Entre as testemunhas, Michael Moore, grande conhecedor da obra poética de Casaldáliga e Gerardo Bassi, responsável pela conta do Twitter dedicada a citações de Pedro Casaldáliga.

INSCREVA-SE NO BOLETIM

Conheça Pedro Casaldáliga
e as suas Causas

MAIS RECENTES

Entrevista às irmãs de Pedro Casaldáliga

Entrevista às irmãs de Pedro Casaldáliga

Pedro Casaldáliga se despediu de sua família aos 40 anos. Nunca mais pisou a sua terra natal. Em uma época em que as comunicações eram muito precárias, como aquela família mais próxima viveu a decisão do bispo Pedro?

ler mais

Aos 30 dias do falecimento de Pedro Casaldáliga

Aos 30 dias do falecimento de Pedro Casaldáliga

Aos 30 dias do falecimento de Pedro Casaldáliga

Hoje, faz um mês que o Tio Pedro faleceu.

Não foi uma morte violenta ou repentina, como talvez ele tivesse imaginado, mas isso não a faz menos triste.

Sinto tristeza, vazio, orfandade que com o passar dos dias, e com um pouco mais de calma, depois de alguns dias intensos: de preocupação primeiro, e de mensagens e homenagens depois, torna-se cada vez mais intenso.

No entanto, ao mesmo tempo, se faz mais forte também o sentimento de alegria e de gratidão porque, como diz meu bom amigo David Fernández, “o milagre é que ele tenha vivido” e que a gente possa ter acompanhado, mesmo de longe, essa vida tão radical, coerente e completa…
Tanto no nível individual quanto da Associação Araguaia com o Bispo Casaldáliga, sinto que agora temos a responsabilidade e o compromisso de continuar apoiando as Causas que permanecem e estão mais vivas do que nunca. Com a certeza de que ele ainda é a luz que irá nos acompanhar para sempre nesta “caminhada” com Esperança.
Glòria Casaldàliga
Pere Casaldàliga amb Maritxu Ayuso a casa seva a São Félix do Araguaia
Hoje faz 30 dias desde a tua Páscoa, querido Pedro, e ainda estou em orfandade.

Mas lentamente, a tua Esperança aconchega este vazio.
A tua pegada será luz no mais profundo da minha vida.
As tuas sandálias já estão consagrando nosso caminho, a luta e a Utopia por um mundo mais justo.

Obrigado, São Pedro do Araguaia!!!

Maritxu Ayuso

Zilda Martins amb en Pere Casaldàliga a São Félix
Pedro foi um grande profeta do povo, um poeta sensível e profundo, mas acima de tudo, para mim, foi uma pessoa muito divertida, humilde, risonha e simples, que sempre me tratou muito bem e me incentivou a fazer meu trabalho no Arquivo da Prelazia de São Félix.

Hoje, sinto falta de sua presença. Me sinto um pouco mais “perdida” diante das dificuldades. Mas, vou tentar colocar em prática tudo o que ele me ensinou. Sei que é difícil e que somente pessoas com a coragem e a fé de Pedro podem alcançá-lo como ele, mas tenho certeza de que ele continuará a me encorajar e a me dar forças.

Zilda Martins

INSCREVA-SE NO BOLETIM

Conheça Pedro Casaldáliga
e as suas Causas

MAIS RECENTES

Entrevista às irmãs de Pedro Casaldáliga

Entrevista às irmãs de Pedro Casaldáliga

Pedro Casaldáliga se despediu de sua família aos 40 anos. Nunca mais pisou a sua terra natal. Em uma época em que as comunicações eram muito precárias, como aquela família mais próxima viveu a decisão do bispo Pedro?

ler mais

Esse foi o enterro de Casaldáliga

Esse foi o enterro de Casaldáliga

Esse foi o enterro de Casaldáliga

12 de setembro de 2020

A vida de Pedro Casaldáliga

À sombra de um frondoso pequizeiro, Pedro foi plantado.

Na manhã do dia 12 de agosto de 2020 o bispo Pedro foi plantado à sombra de um frondoso pé de pequi, em São Félix do Araguaia.

Do mesmo jeito simples e pobre como sempre viveu o bispo Pedro Casaldáliga foi seplutado.

Seu corpo chegou a São Felix no final datarde do dia de ontem e foi acolhido pela equipe pastoral da Prelazia de São Félix e pelo povo da cidade, cercado de todos os cuidados que o momento de pandemia exige.

El Poble Xavante s'acomiada de Casaldàliga

Durante a noite toda foram feitas diversas homenagens a Pedro, lembrando momentos fortes de sua passagem por esta terra e sobretudo por depoimentos emocionados de pessoas que narraram como foi o seu contato com a Prelazia e seu bispo.

Hoje, antes do início da celebração de despedida de Pedro, foram lidas algumas das muitíssimas mensagens recebidas pela Prelazia de diversos lugares do Brsil e do mundo.

O grupo de antigos agentes que passaram pela Prelazia e de muitas outras pessoas que se identificam com a caminhada desta igreja produziu um grande banner com fotos de suas mãos. Foram mãos que junto com Pedro tentaram construir esta nova Igreja.

Às 8  horas teve início a celebração da missa com um canto ritual dos indígenas do povo Xavante. A ele se seguiu o restante ritual da missa. Dom Adriano Ciocca Vasino, atual bispo da Prelazia falou no cometário às leituras que Pedro se fez peão com os peões, índio com os índios, posseiro com os posseiros. Que ele cultivou um amor universal sem diferenças de raça, cor e religião, porque o que importava era a construção do Reino. Afirmou ainda que Pedro se fez evangelho, e que a marca registrada desta Igreja é sua força de transformação.

Ao final da celebração foi lida uma mensagem da família de Pedro que pediu que aquelas pessoas que cuidaram de Pedro durante todo o período da sua doença a representasse naquele momento. Estas pessoas cercaram então o caixão enquanto a mensagem era lida.

Assine o BOLETIM com conteúdos exclusivos

Gostou?

Conheça MAIS sobre Pedro Casaldáliga e seu trabalho na Amazônia.

Feito desde o Araguaia e desde Barcelona!

Dom Adriano leu a bela mensagem enviada por dom Leonardo Ulrich Steiner, o bispo que sucedeu a Pedro em São Felix e que agora é arcebispo de Manaus. Dom Leonardo disse na sua mensagem que Pedro era um profeta, mas muito mais que um profeta, era um místico. Suas palavras não eram só letras, eram espírito, pois eram geradas pelo seu profundo encontro com Jesus, e em Jesus com os pobres.

Foi também destacada a mensagem enviada por Adolfo Pérez Esquivel, prêmio Nobel da Paz e amigo de Pedro.

Os bispos de Porto Nacional, Miracema e Palmas, no Tocantins, o de Tucumã, no Pará, e o de Juína, no Mato Grosso, que participaram da celebração se apresentaram.

E a celebração se concluiu com um ritual do povo Xavante no qual ressaltaram a tristeza que o povo vive por perder esta pessoa tão importante nas suas lutas.

Logo se seguiram os rituais  de encomendação do corpo que foi transladado para o cemitério.

A entrada no cemitério foi controlada para se evitar aglomeração de pessoas. Só os padres e algumas poucas pessoas puderam acompanhar o
sepultamento. Ao final os Xavante colocaram no túmulo uma cruz que trouxeram da aldeia. As demais pessoas puderam entrar quando o primeiro grupo deixou o local.

O que nos resta a fazer é preservar o legado de Pedro vivendo segundo o que ele ensinou mais com seu exemplo que, com suas palavras.

INSCREVA-SE NO BOLETIM

Conheça Pedro Casaldáliga
e as suas Causas

MAIS RECENTES

Entrevista às irmãs de Pedro Casaldáliga

Entrevista às irmãs de Pedro Casaldáliga

Pedro Casaldáliga se despediu de sua família aos 40 anos. Nunca mais pisou a sua terra natal. Em uma época em que as comunicações eram muito precárias, como aquela família mais próxima viveu a decisão do bispo Pedro?

ler mais

O mistério de Casaldáliga

O mistério de Casaldáliga

O mistério de Casaldáliga

8 de setembro de 2020

A vida de Pedro Casaldáliga

O impacto da morte de Casaldáliga (Pere, dom Pedro, Pedro), tem sido enorme, impressionante, não apenas nos espaços eclesiásticos. Merece, sem dúvida, uma reflexão.

Surpreende que aquele jovem de Balsareny que entrou no seminário de Vic e depois nos Missionários Cordimarianos-Claretianos, bem na época da ditadura de Franco e da Igreja de cristiandade pré-conciliar, ao ir para o Brasil tenha se tornado um Santo Padre da Igreja dos pobres e profeta da libertação.

Velatorio de Casaldàliga en el Santuario de los Mártires de la "Caminhada", en su Prelatura del Araguaia

Casaldáliga morreu numa cidade perto de São Paulo e os seus restos mortais foram levados para a sua cidadezinha de São Félix do Araguaia. No caminho, o seu corpo foi velado por centenas de pessoas da sua Prelazia que queriam dar-lhe um último adeus. Foto: Dagmar Talga.

De onde foi que Casaldáliga tirou a força para trabalhar pastoralmente em São Félix do Araguaia com os Tapirapé e os Xavante; para defender os posseiros contra os latifundiários; para promover organizações e movimentos sociais e eclesiásticos no Brasil e em toda a América Latina; para criticar o Império do Norte e dizer a Pedro para deixar a cúria, desmantelar o sinedrio, a muralha e abandonar os filactérios? Como teve a liberdade profética de amaldiçoar as cercas e a propriedade privada que escravizam a terra e os seres humanos? Quem o fez resistir às ameaças de morte dos poderosos e às críticas, suspeitas e vetos dos seus irmãos de báculo e mitra?

Como conseguiu enfrentar a pobreza, as longas viagens de ónibus, a solidão e as limitações finais do irmão Parkinson, enquanto o seu coração estava alegre e “cheio de nomes”? De onde veio a sua esperança de que, embora sejamos combatentes derrotados, a nossa causa é invencível, caminhamos em direcção à Terra sem Males, em direcção à utopia, em direcção à Esperança com maiúscula?

En las despedidas de Casaldáliga estuvieron presentes los símbolos de su vida a favor de los trabajadores rurales y los Pueblos Indiígenas

Nas despedidas a Pedro Casaldáliga, os símbolos que representam as suas causas a favor dos trabalhadores rurais, dos Povos Indígenas e contra a propriedade privativa estavam muito presentes. Foto: Dagmar Talga.

Pedro não morreu de pé como as árvores, mas na cama, quase sem conseguir falar e totalmente dependente dos outros, não tendo nada, não carregando nada e não podendo nada.

Estamos diante de uma vida misteriosa. Ele não foi um simples planificador pastoral, não foi sociólogo, nem economista. Não foi apenas um revolucionário político. Qual foi a raiz última da sua vida, qual é o seu mistério oculto? Felizmente, a sua poesia oferece-nos a chave hermenêutica da sua vida.

Não se trata apenas de poemas estéticos, mas místicos, como os de São João da Cruz, que nos abrem para o Mistério último, para um Você, um Você com quem ele tem uma relação que não é meramente individual e religiosa, mas histórica, que o leva a subir e descer do Monte Carmelo, para ouvir o Vento do Espírito na rua.

Página del libro "El tiempo y la espera" de Pedro Casaldáliga

«El tiempo y la espera» é um dos livros de poesia que Casaldáliga dedica: “Aos pobres, aos mártires, aos contemplativos, aos militantes e teólogos da libertação, para os quais e com os quais -por Ele, com Ele e para Ele- o tempo se torna cristão e e esperança esperançada”.

Esse Você é Jesus de Nazaré, versão de Deus na limitação humana, feito homem no ventre de Maria e classe na oficina de José. Para Casaldáliga, Jesus de Nazaré é a sua força e o seu fracasso, a sua herança e a sua pobreza, a sua morte e a sua vida. É o Jesus da cova de Belém e dos pastores, das bem-aventuranças, dos pobres e dos pequenos, das mulheres fiéis, da paixão e da cruz, do Jesus do Reino, do amor feito alimento.

Esse Jesus é pedra de escândalo e pedra angular, como também são os pobres; é o libertador total, assassinado pelo Templo e pelo Império, mas cujo túmulo vazio, tal como os túmulos do povo massacrado, anuncia a manhã da Páscoa. Para Casaldáliga existem apenas dois absolutos: Deus e a fome; onde há pão, lá está Deus.

O bispo de São Félix foi sempre tocado pelo capítulo 21 do evangelho de João, que ele o entendia como uma síntese da sua vida: a abundante pesca no lago de Tiberíades depois do fracasso da noite escura, enquanto na margem uma personagem misteriosa o convida para almoçar e pergunta a Pedro se ele o ama: «Jesus de Nazaré, filho e irmão,/ vivendo em Deus e pão na nossa mão,/ caminho e companheiro da viagem,/ libertador total da nossa vida/ que vem pelo mar, com a aurora,/ as brasas e as feridas ardentes».

Pedro Casaldáliga en el Río Araguaia

«No amanhecer pascal da ressurreição, à beira do Araguaia, há Alguém que o espera de braços abertos para partilhar o pão.»

Agora, finalmente, Casaldáliga está enterrado junto ao rio Araguaia, um rio que simboliza o Mar Vermelho, o Jordão e o lago de Tiberíades. E no amanhecer da Páscoa da ressurreição, à beira do Araguaia, há Alguém que o espera de braços abertos para partilhar o pão. E talvez uma garça branca vigie a sua sepultura. O mistério da vida de Casaldáliga nos foi finalmente revelado. Os pobres o ensinaram a ler o evangelho.

Obrigado, Pedro, porque com a tua transparente vida evangélica, você nos aproxima do Mistério último e no meio das noites escuras, você faz mais confiante a nossa fé.

INSCREVA-SE NO BOLETIM

Conheça Pedro Casaldáliga
e as suas Causas

MAIS RECENTES

Entrevista às irmãs de Pedro Casaldáliga

Entrevista às irmãs de Pedro Casaldáliga

Pedro Casaldáliga se despediu de sua família aos 40 anos. Nunca mais pisou a sua terra natal. Em uma época em que as comunicações eram muito precárias, como aquela família mais próxima viveu a decisão do bispo Pedro?

ler mais

Esse foi o adeus a Casaldáliga em sua cidade natal

Esse foi o adeus a Casaldáliga em sua cidade natal

Esse foi o adeus a Casaldáliga em sua cidade natal

21 de agosto de 2020

A vida de Pedro Casaldáliga

Pedro Casaldáliga morreu no dia 8 de agosto, aos 92 anos, no hospital da Santa Casa de Batatais, próximo a São Paulo, para onde havia sido transferido de São Félix do Araguaia por problemas pulmonares.

A notícia se espalhou imediatamente pelo mundo e as condolências e elogios ao seu perfil biográfico e, sobretudo, às suas causas, ocuparam a mídia.

No dia seguinte, domingo, enquanto se realizava a primeira missa de seu funeral na capela do Centro Universitário Claretiano de Batatais, em sua cidad natal, Balsareny, na Catalunha, houve um encontro espontâneo na Praça Ricard Viñas, em frente à Casa do Leiteiro (Cal Lleter), onde o bispo Pedro, filho do leiteiro da cidade, nasceu.

Concentració davant la casa natal de Casaldàliga a Balsareny

Com máscaras e na distância de segurança, centenas de pessoas testemunharam sua dor e transmitiram seu amor à família Casaldáliga, representadas pelas duas irmãs de Pedro, Carme e Maria, e suas sobrinhas.

Algumas pessoas dos grupos culturais da cidade declamaram poemas de Casaldáliga (Retorn pairal e Castell de Balsareny); em seguida, Martina Ruiz tocou a música de Pau Casals, um clássico da Catalunha, “El cant dels ocells” no violoncelo e os presentes cantaram também o hino da montanha de Montserrat, o “Virolai”, após um minuto de silêncio e reflexão.

O evento, breve e emocionante, foi encerrado por Anna Casaldáliga, sobrinha do bispo, que agradeceu em nome da família e pediu para continuar trabalhando pelas causas de Pedro Casaldáliga. Os presentes responderam com uma longa salva de palmas.

Concentració espontània davant la casa natal de Pere Casaldàliga el dia del seu traspàs

Enquanto isso, no Brasil, os restos mortais do bispo foram transferidos de Batatais para São Félix do Araguaia, passando pelo santuário dos mártires, em Ribeirão Cascalheira, já em Mato Grosso, em meio a demonstrações emocionantes de luto da população, e foi sepultado, seguindo seu testamento expresso, no cemitério dos índios Karajá, às margens do rio Araguaia, na quarta-feira, 12 de agosto.

Em Balsareny, no dia 15, foi realizada a missa-funeral. Uma celebração austera e ao mesmo tempo acolhedora, idealizada pela família Casaldáliga, grupos de voluntários da Comissão Pere Casaldàliga, a entidade Balsareny Educa e outras organizações locais, com a colaboração da Prefeitura Municipal.

Como o interior da igreja tem espaço limitado devido as limitações sanitárias, os bancos normalmente utilizados foram colocados fora da Igreja, juntamente com um grande número de cadeiras, que os assistentes colocaram na praça da cidade. Um sistema de som foi instalado para que o povo da praça pudesse ouvir tudo o que se falava no templo, pois havia parlamentos muito profundos, emocionantes e interessantes.

Para além de um retrato do Pedro Casaldáliga, foram colocados no altar e no exterior da igreja vários elementos carregados de simbolismo, que poderá descobrir clicando nos círculos com o “+” na imagem:

A celebração foi presidida pelo Padre Joan Soler, claretiano da cidade de Vic, presidente da Associação Araguaia com o Bispo Casaldáliga e amigo pessoal de Pedro. Ele esteve acompanhado pelo reitor de Balsareny, Antoni Bonet e por outros doze sacerdotes da diocese de Solsona e companheiros claretianos.

A parte musical foi interpretada pelo pianista Carles Cases, descendente de Balsareny, compositor da suite Araguaia, acompanhado por Sveta Trushka no violoncelo e Teresa Noguerón no clarinete. O Coro Sant Esteve de Balsareny, dirigido por Marc Comabella, interpretou várias canções da Missa e, no final, a música Pere Casaldàliga , de ‘Balsareny mais de mil anos’, e a Virolai .

Música del compositor Carles Cases, que ha dedicat diverses obres a Casaldàliga i l'ha visitat a l'Araguaia

A missa começou com uma introdução de Glòria Casaldàliga Riera, que leu este poema de Pedro Casaldáliga:

Eu morrerei de pé como as árvores.
Me matarão de pé.
O sol, como testemunha maior, porá seu lacre
sobre meu corpo duplamente ungido.

E os rios e o mar
serão caminho
de todos meus desejos,
enquanto a selva amada sacudirá, de júbilo, suas cúpulas.

Eu direi a minhas palavras:
– Não mentia ao gritar-vos.
Deus dirá a meus amigos:
– Certifico
que viveu com vocês esperando este dia.

De golpe, com a morte,
minha vida se fará verdade.

Entre tantas coisas que foram ditas, destacamos as palavras de Joan Soler, explicando como o amor que Pedro semeou ao longo do seu caminho o eterniza. Ele também citou as palavras que uma mulher da comunidade Karajá dirigiu ao falecido:

Você amou minha terra e me ensinou a olhar para ela com novos olhos. Você sempre ajudou os mais fracos e agora descansa no Cemitério Indígena Karajá, ao lado de meus ancestrais. A imortalidade é sua, espero vê-lo lá de novo, nas estrelas.

Mulher do Povo Karajá

Les germanes de Pere Casaldàliga, Carme i Maria, a la missa-funeral de Balsareny

Também foi muito intensa a fala de Cristina Casaldàliga:

“Conforta-nos que, como quiseste, você faleceu com o povo que tanto amou. Apesar da distância, você sempre esteve conosco. Nunca se esqueceu de parabenizar os nossos santos e aniversários e cuidar de sua mãe, seus irmãos, as meninas, o resto da família, o povo e o país. Você também nos deu lição de casa: vá visitar a Virgem do Castelo, Montserrat, e nunca deixem de cuidar da Casa de Candàliga. Como um bom filho de Balsareny, você tem sido um incansável transportador [traginer] de esperança. Continuaremos apoiando suas CAUSAS, que hoje são mais válidas do que nunca, e persistiremos nessa esperança”.

Lembretes foram entregues com o epitáfio que ele queria em seu túmulo: “Para descansar / Eu só quero / esta cruz de madeira / com chuva e sol, / estas sete palmas / e a Ressurreição ! »; havia também uma foto da pintura da catedral de São Félix do Araguaia e frases do bispo Pedro sobre suas causas.

Recordatòria de la Missa-Funeral per Pere Casaldàliga a Balsareny

Na despedida estiveram presentes Francesc Escribano, amigo da família e autor da biografia de Pedro, “Descalço sobre a terra vermelha”, e a jornalista Mònica Terribas.

Também estiveram presentes o Ministro das Relações Exteriores da Generalitat, Bernat Solé, a senadora Mirella Cortès, a ex-prefeita de Sallent, o presidente do PDECat, David Bonvehí, e o ex-presidente da Justiça e Paz, Arcadi Oliveres, entre outras personalidades do mundo da política, da cultura e do ativismo social.

Publicação da Revista Sarment, do Cercle Cultural de Balsareny.

Tradução e adequação: Casaldáliga-Causas

 

INSCREVA-SE NO BOLETIM

Conheça Pedro Casaldáliga
e as suas Causas

MAIS RECENTES

Entrevista às irmãs de Pedro Casaldáliga

Entrevista às irmãs de Pedro Casaldáliga

Pedro Casaldáliga se despediu de sua família aos 40 anos. Nunca mais pisou a sua terra natal. Em uma época em que as comunicações eram muito precárias, como aquela família mais próxima viveu a decisão do bispo Pedro?

ler mais

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies