Pedro Casaldáliga do Araguaia e do Llobregat

Pedro Casaldáliga do Araguaia e do Llobregat

Pedro Casaldáliga do Araguaia e do Llobregat

A terra onde só se nasce e morre

“A primeira semana de nossa estadia em São
Felix morreram quatro crianças e passaram por casa em
caixas de papelão, como sapatos, a caminho do
cemitério no rio. Nesse mesmo lugar, mais tarde, teríamos
que enterrar outras crianças e 
outros muitos adultos, muitas vezes sem sequer uma caixa e nem mesmo um nome “.

Creio na Justíça e na Esperança. Pedro Casaldáliga, 1975

Sete dias de caminhão desde São Paulo. Era o mês de julho de 1968 e os missionários Pedro Casaldáliga e Manuel Luzón chegaram às terras de São Félix do Araguaia, na Amazônia, 1.200 km ao norte de Brasília. Uma área do tamanho de todo o Portugal, “de rios e campos e floresta, ao noroeste do Mato Grosso, dentro da chamada Amazônia” legal “, entre os rios Araguaia e Xingu”, era sua “missão” e acabaria sendo também a sua terra.

A região do Araguaia pertence politicamente ao estado brasileiro de Mato Grosso, uma área duas vezes o tamanho da Espanha, mas com 3 milhões de habitantes: um “deserto” verde, no coração do Brasil, onde a floresta amazônica começa e termina um dos biomas mais importantes do mundo (embora bastante desconhecido), chamado Cerrado.

“A primeira coisa que chamou minha atenção foram as distâncias. Geográficas, sociológicas e espirituais. Foi como pousar em outro mundo. Havia proprietários de até um milhão de hectares de terra. Capitalismo feroz financiado pelos militares. Era a terra de ninguém, onde nascer e morrer era fácil e onde era difícil viver. Mas também era uma terra de sonhos lucrativos para os ricos.”

Esta é a primeira imagem que temos da chegada de Pedro Casaldáliga e Manuel Luzón no Araguaia. Era agosto de 1968 e o Pedro estava com 40 anos.

Se posicionar ao lado dos pobres

Em face da violência, pobreza e escravidão, era necessário decidir: ou era ao lado dos meus pobres, com todas as consequências, ou a visão era pesada e os ricos eram favorecidos. Como explica Francesc Escribano: “Lá, as posições “mornas” não são apenas inúteis, mas também impossíveis. É por isso que Casaldáliga teve que agir. Ele fez opção inequivoca e radicalmente em favor dos pobres e dos oprimidos “.

Esta posição, no entanto, não foi fácil: significava declarar a guerra, abertamente, aos latifundiários e aos militares. A ditadura não demorou para colocar a Prelazia de São Félix do Araguaia na mira da repressão.

“Era hora de escolha, uma opção rasgada que era contra o meu próprio temperamento, contra o desejo natural de estar bem com todos, contra a formação da gentileza “evangélica” recebida… um rasgão que continua a se sentir na vida”.

A radicalidade de Casaldáliga, no entanto, não deve ser confundida com “excesso”. O Pedro tem absoluta clareza de ideias, é verdade; possui um compromisso inabalável, também; mas acima de tudo, Pedro é uma inteligência privilegiada que o levou a ser capaz de se opor aos poderosos protegendo os mais fracos. Pedro Casaldáliga é, acima de tudo, sabedoria.

Um bispo sem “enfeites”

Desde o primeiro dia, Casaldáliga foi um bispo diferente. Ele decidiu não usar mitra, nem báculo, nem anel. O anel episcopal que ele carrega é o que os índios Tapirapé deram. Ele sempre disse que não quer nenhum luxo ou conforto que não possa encontrar nas casas de seus vizinhos. A casa do bispo de São Félix, sempre está aberta a todos. Não teve TV nem geladeira até cumprir os 70 anos.

L’habitació de Pere Casaldàliga no ha tingut mai porta.

O bispo Pedro é uma pessoa “normal”. Com um senso de humor brilhante. Como escreveu Paco Escribano no mesmo artigo no Diário Ara: “Se eu tivesse que enfatizar uma característica da sua personalidade, poderia dizer a coerência, a radicalidade, a espiritualidade … mas a verdade é que o que mais me surpreendeu foi o seu senso de humor.”

Casaldáliga é capaz de ver além, de sentir coisas que os outros não sentem. A sua presença nos faz sentir uma profunda onda de renovação interior. Mas, ao mesmo tempo, o bispo lava a louça do almoço, coloca as roupas sujas pra lavar ou varre o quintal com toda a naturalidade. A humildade de Casaldáliga é vivida com toda tranquilidade. O luxo, ou mesmo o conforto, não fazem parte da sua vida. Pronto. A pobreza é e tem sido o seu modo normal de viver.

Pedro muda o mundo

Achamos que não é exagerado dizer que o mundo não é o mesmo depois da vida, obra e trabalho de Pedro Casaldáliga. Ele chegou em uma região esquecida, onde “não conseguimos encontrar nenhuma infraestrutura administrativa, nenhuma organização de trabalho, nenhum controle. A lei era a lei do mais forte. O dinheiro e o 38 eram impostos” e, 50 anos depois, encontramos um povo vivo que luta; movimentos sociais que ajudam e denunciam os que mais sofrem e, sobretudo, uma sociedade mais consciente dos desafios que a Humanidade tem pela frente.

Se hoje podemos falar em meio ambiente, em desigualdades, em povos indígenas ou em direitos trabalhistas é, em grande parte, graças ao trabalho e à visão de Casaldáliga.

É verdade que no Araguaia ainda sofremos as conseqüências de lidar com os poderosos. É verdade que a pobreza e a fome ainda fazem parte do cotidiano desta região. Nós não podemos dizer que a guerra ganhou.

Mas Pedro Casaldáliga foi fundamental para que hoje, especialmente na América Latina, encontremos sindicatos, pastorais sociais, ONGs, movimentos associativos e até uma Igreja diferente. Essa é a esperança que Pedro semeou e que cresce “apesar dos pesares neoliberais e eclesiásticos”, como ele diz.

Como está hoje o bispo Pedro Casaldáliga

Dom Pedro continua morando em São Félix do Araguaia. Ele nunca voltou para a Catalunha, nem quando a mãe dele faleceu. Ele vive há alguns anos com o Parquison e, agora, aos 91 anos, “ele não se expressa profusamente com palavras e escritos, que sempre foram muito marcantes. E isso certamente é um grande sofrimento. Mas Pedro se comunica de outras maneiras, com gestos, olhares, apertões fortes em nossas mãos, e nos dá a bênção com os gestos de suas mãos. As pessoas sabem que ele está lá, é o Pedro, e que ele nos reconhece “, explicou Maria Júlia Gomes Andrade à revista Brasil de Fato.

As mais de 500 pessoas que são atendidas anualmente pela associação que ele fundou no Araguaia ainda precisam de muito apoio, mas o caminho está mais claro porque a luz dele está conosco!

O Pedro continua a ser inspiração, força e compromisso. Do Araguaia, trabalhamos com a organização que ele fundou em 1974. Apoiamos os trabalhadores sem terra, os camponeses que querem plantar, as mulheres vulneráveis e os povos indígenas que ainda enfrentam muitos desafios.

Isto é o que tem em comum Bolsonaro, Nespresso i Starbucks

Isto é o que tem em comum Bolsonaro, Nespresso i Starbucks

Isto é o que tem em comum Bolsonaro, Nespresso i Starbucks

“Nespresso i Starbucks compraram café de fazenda com trabalho escravo”.

Com essa manchete, a ONG Repórter Brasil, especializada em trabalho escravo, denunciava em abril deste ano o caso da fazenda Cedro II no estado de Minas Gerais, flagrada com casos de trabalho escravo, continuava vendendo café para a Nestlé e a Starbucks.

A legislação brasileira usa o termo “análogo à condição de escravo” para se referir a situações degradantes de trabalho (sem saneamento, sem alojamento, sem alimentação adequada, sem segurança, etc.), ou por dias de serviço intermináveis e até em situação de privação de liberdade, mesmo que seja alegando endividamento do trabalhador.

Assim, de acordo com o Art. 149 do Código Penal Brasileiro, menter alguém nessas condições é um crime punível com pena de prisão entre dois e oito anos e multa econômica.

A realidade, no entanto, é que o número de trabalhadores sujeitos a essas condições é contado por milhares no Brasil. E não estamos exagerando: de acordo com dados oficiais do Ministério do Trabalho, de 1995 até hoje, no Brasil foram resgatados mais de 50.000 pessoas em condição análoga à de escravo.

Escravos no Araguaia

De 1995 a 2015, no Araguaia, 1.970 trabalhadores foram resgatados em condições análogas às da escravidão. Mas a conta real é certamente muito maior, já que os promotores do Ministério do Trabalho não têm os recursos necessários para realmente fazer um controle exaustivo nesta imensa região da Amazônia.

Destaca o caso de que em uma única fazenda, dedicada à fabricação de álcool, na ciudade de Confresa, onde foram resgatados 1.200 trabalhadores que viviam na escravidão, no que se tornaria a maior operação contra o trabalho escravo no Brasil.

Conforme publicado por Leandro Sakamoto, da Agência Carta Maior. 

“A situação aqui é horrível. Há superlotação das acomodações, que exalam um mau cheiro insuportável. A única água que recebe tratamento é aquela que vai para as caldeiras e não para os trabalhadores. A comida estava estragada, danificada. O caminhão chega jogando a comida no chão.

Pior do que a comida que é dada ao bicho, porque pelo menos tem coxo”.

Humberto Célio Pereira

Auditor fiscal e coordenador do Grupo de Inspeção Móvel. 2005

Precariedad laboral em um contexto de fragilidade

Como explica a Comissão Pastoral da Terra (CPT):

“Tendo em vista as recentes medidas adotadas, como a felixibilização dos direitos dos trabalhadores com a Lei nº 13.467 / 2017 e a liberalização total da terceirização através da Lei nº 13.429 / 2017, a previsão é aumentar o número [de trabalhadores explorados], já que essas medidas fortalecem a posição dos empregadores e pavimentam o caminho para legalizar formas modernas de escravidão ”.

Parece lógico pensar que em um contexto de tal fragilidade, onde ainda temos que falar de trabalho escravo!, promover ou adotar medidas para tornar o mercado de trabalho mais “flexível”, diminuíndo o peso das empresas públicas (que pelo menos garantem que não haverá exploração de seus trabalhadores), etc. representa um grande risco para a multiplicação de situações de escravidão ou, pelo menos, de condições degradantes de trabalho.

Mesmo assim, o governo brasileiro, implementando a sua agenda ultra-liberal, está se movendo de forma constante para a insegurança no trabalho, o que no Brasil significa algo mais do que ter carteira assinada ou não ter.

Conheça mais de Pedro Casaldáliga.

Receba o nosso boletim mensal!
Enviaremos apenas informações do Bispo Casaldáliga, de sua obra e do trabalho nas suas causas

Como uma carta de Casaldáliga mudou a Amazônia

Como uma carta de Casaldáliga mudou a Amazônia

Como uma carta de Casaldáliga mudou a Amazônia

No dia de sua ordenação como bispo, Pedro Casaldáliga publicou um amplo documento que destacava a situação de escravidão em que viviam a maioria dos camponeses da Amazônia. O documento também questionou a Igreja e logo despertou a perseguição contra ele e sua equipe.

31 de outubro de 2019

A vida de Pedro Casaldáliga

No dia de sua consagração como bispo, em 1971, Pedro Casaldáliga publicou a primeira denúncia global da situação na Amazônia.

A carta pastoral “Uma Igreja na Amazônia em conflito com o latifúndio e a marginalização social” é um documento histórico que marca um tempo único na defesa dos povos indígenas, do meio ambiente, da situação das mulheres e da luta pela terra. Contra a pobreza e a marginalização desta região.

Era a primeira vez que um Bispo se posicionava tão abertamente sobre a situação da Amazônia.

Como Berta Campurbí disse em seu artigo Pedro Casaldáliga, 90 anos: um dia na casa do bispo dos pobres, publicado no El Periódico da Catalunha:

Naqueles anos, as terras de Mato Grosso eram dominadas pela sobreposição de títulos de propriedade, herdados principalmente da Lei de Terras de 1850, que distribuía ilegalmente territórios ancestrais indígenas, criando imensas propriedades agrícolas de até 7.000 quilômetros quadrados. Eram terras de pistoleiros, de abandono legal e institucional.

Lá, a violência era o método com o qual os conflitos eram resolvidos. Casaldáliga enterrou muitos camponeses, sem terra e indígenas naqueles tempos.

Berta Camprubí

El Periódico de Catalunya

O conteúdo do documento

Ao longo de 30 páginas da Carta Pastoral, o Bispo Pedro analisa com rigor a situação de escravidão e violência em que viviam os povos e comunidades da Amazônia, denunciando os problemas ambientais que, à época, começavam a ser percebidos e, naturalmente, o genocídio dos povos indígenas que os grandes proprietários de terra estavam realizando com a aprovação do governo militar brasileiro.

No documento se relatam detalhes dos casos de exploração mais gritantes da época, explicitando os nomes dos responsáveis -alguns grandes fazendeiros, e relatando a situação dos posseiros, dos índios e dos peões. 

Os primeiros desbravadores da região são os hoje chamados posseiros. Localizados aqui há 5, 10, 15, 20 e alguns até 40 anos. Cultivando o solo pelos métodos mais primitivos, plantando arroz, milho, mandioca. Lavoura de pura subsistência. Criando gado. Sem a menor assistência sanitária e higiênica, sem nenhum amparo legal, sem meios técnicos à disposição. Aglomerados em pequenos vilarejos, chamados Patrimônios (que foram vendidos pelo Estado como terras virgens – Santa Terezinha, Porto Alegre/Cedrolândia, Pontinópolis) ou dispersos pelo sertão afora a uma distância de 12 a 20 Km uns dos outros.
Pedro Casaldáliga, 1971

Como ele diria em sua carta, citando o professor Hélio de Souza Reis: “Indiferente a tudo, [os camponeses] tentam ganhar pão todos os dias, porque só há dois direitos para eles: o de nascer e o de morrer”.

Quando ainda quase ninguém falava na causa indígena; quando a preocupação com o Meio Ambiente não estava na mesa de qualquer discussão; e quando a extrema pobreza dos trabalhadores rurais, muitas vezes escravizados, era um assunto longe de qualquer foco da mídia ou da Igreja, a Carta Pastoral de 1971 torna-se um documento que indigna as vergonhas do Brasil e que, pela primeira vez, internacionaliza a crueldade da situação econômica, social e ambiental da Amazônia.

Como foi o impacto

O documento teve que ser impresso de forma clandestina, fora da região do Araguaia, pela fiel colaboradora de Casaldáliga, a Irmã Irene Franceschini. Com essas palavras explicava na Crónica desde São Félix, em 2008, a Maritxu Ayuso:

A mulher que, em plena ditadura, carregou uma caixa embrulhada num cachecol, a primeira carta pastoral de Pedro Casaldáliga em um avião militar! Quando perguntaram o que ela estava levando, respondeu “medicamentos, algumas roupas, coisas sem importância … se você quiser abrir …” !!!!

Martixu Ayuso

Associació Araguaia amb el Bisbe Casaldàliga

A carta do Bispo Pedro ecoou na maioria dos jornais e publicações do Brasil e desencadeou uma revolução no meio da repressão militar.

Nessa mesma época os interesses econômicos associados ao regime estavam se distribuíndo o Centro Oeste do País à custa dos povos indígenas e do Meio Ambiente e um bispo como Casaldáliga incomodava.

Depois de vários meses de boatos e calúnias, de ameaças de prisão, de morte, de “descida” da polícia federal e do exército, com prognósticos sucessivamente datados depois de várias tentativas de convencer-nos ou de intimidar-nos por meio de várias tentativas de convencer-nos ou de intimidar-nos por meio de mensageiros pessoais, naprimeira semana do mês de setembro último, o Sr. Ariosto da Riva – pai e mentor de latifundiários – acompanhado de um sacerdote religioso, se apresentou ao Senhor Núncio, no Rio, para tentar impedir a minha sagração…
Pedro Casaldáliga, 1971

Uma Igreja da Amazônia em conflito com o latifúndio e a marginalização social

E é que, como afirma o sociólogo José de Souza Martins (1995), “o documento é um dos mais importantes da história social do Brasil” e isso não iria ser tolerado pelos militares.

Em sua carta pastoral de 1971, Casaldáliga propõe uma nova forma de ver tal fato [a superexploração e falta de direitos dos trabalhadores rurais], faz uma longa e dura denúncia e inicia um consistente trabalho pastoral na Prelazia que começa primeiro por desnaturalizar tal violência, depois construindo uma rede de solidariedade entre trabalhadores migrantes e a igreja local.

Lucilene Aparecida Castravechi

XXVII Simpòsi Nacional d'Història. Natal. 2013

«Depois da divulgação dessa carta em 10 de outubro de 1971, que fez eco interna e externamente a Igreja, outros documentos com o mesmo caráter começaram a aparecer em diferentes regiões brasileiras. Dos bispos do Nordeste surgiu o texto “Ouvi os Clamores do Meu Povo” em 1973.

No mesmo ano, foi publicado o documento de urgência “Y-Juca Pirama – o Índio: aquele que deve morrer”, por bispos e missionários da Amazônia.

Do Centro-oeste do país os bispos publicaram o texto “Marginalização de um Povo, o “Grito das Igrejas” em 1974. Em 1980, em um documento
de caráter mais institucional do que esses primeiros, por ter sido publicado pela CNBB, “Igreja e os Problemas da Terra”, analisa e denuncia os resultados do desenvolvimento capitalista no campo brasileiro.», explica Marco António Mitidero, em “A geografia dos documentos eclesiais: o envolvimento da Igreja Católica com a questão agrária brasileira”, da Universidade Federal de Sergipe. 2010.

Leia o Carta Pastoral de 1971

Deixamos a carta em português, como foi escrita, na web amiga de Koinonia: Uma Igreja da Amazônia em conflito com o latifundio e a marginalização social.

Licença Creative Commons

INSCREVA-SE NO BOLETIM

Conheça Pedro Casaldáliga
e as suas Causas

MAIS RECENTES

Visita virtual-espiritual ao túmulo de Pedro Casaldáliga

Visita virtual-espiritual ao túmulo de Pedro Casaldáliga

Lhe convidamos a fazer uma visita virtual-espiritual ao túmulo de Pedro Casaldáliga onde lhe mostraremos imágens dos lugares mais interessantes e representativos da vida de Casaldáliga no Araguyaia e lhe contaremos a história que está por trás deles.

ler mais
As 4 causas da destruição da Amazônia

As 4 causas da destruição da Amazônia

A Amazônia está queimando novamente a taxas insuportáveis. Este ano, porém, não somos mais noticia. Mas, quais são os motivos da destruição da Amazônia? Por que queima como nunca antes? Como vivemos esta situação desde o Araguaia?

ler mais
Entrevista às irmãs de Pedro Casaldáliga

Entrevista às irmãs de Pedro Casaldáliga

Pedro Casaldáliga se despediu de sua família aos 40 anos. Nunca mais pisou a sua terra natal. Em uma época em que as comunicações eram muito precárias, como aquela família mais próxima viveu a decisão do bispo Pedro?

ler mais

Perder a terra, o medo de 2.000 famílias

Perder a terra, o medo de 2.000 famílias

Perder a terra, o medo de 2.000 famílias

Nos anos 70, a região do Araguaia foi palco da “colonização” da Amazônia. Uma política iniciada pela ditadura militar brasileira para ocupar a região amazônica para que não fosse invadida pela ameaça “comunista”.

A propaganda do Estado e os enormes incentivos fiscais concedidos foram frutíferos: grandes empresas e proprietários de terras amigos dos ditadores adquiriram imensas áreas de selva, sem sequer levar em conta se havia povos indígenas vivendo ali. Eu não precisava deles. Centenas de trabalhadores de todos os lugares foram seduzidos a se mudar para o “tesouro verde” com a promessa de terra, comida para dojo e uma vida melhor.

A realidade, no entanto, era muito diferente da esperada: os investimentos necessários nunca foram feitos para conectar a Amazônia com o resto do país, tornando-se uma zona isolada, distante e pobre. As pessoas foram abandonadas em sua sorte, e a lei “38” prevaleceu.

Se você quiser entender como esse processo histórico de ocupação da Amazônia foi, você pode ler este artigo-resumo da BBC Brasil. 

Nesse contexto, o jornal O Estado de São Paulo publicava em 1973 um artigo relatando o processo que estava acontecendo nas terras do Araguaia.

Enquanto os soldados recorreram às aldeias de extrema pobreza, como São Félix do Araguaia, Santa Terezinha, Serra Nova ou Pontinópolis, localizadas no meio de grandes propriedades, estendendo centenas de dentes e ajudando pacientes afetados por malária, tuberculose, desnutrição e leishmania , foi possível perceber, em contato com as pessoas, muito mais do que doenças, o que elas tinham medo de perder a terra.

O Estado de São Paulo, 1973

“É necessário minimizar a ação dos padres para evitar a subversão”

E continuava o Jornal:

A paisagem urbana é resumida em pequenas casas de cimento que fazem da igreja ou da Assembléia de Deus, entre uma sucessão de cabanas de barro seco. Neste contexto, devido à omissão do poder público, o padre tem, necessariamente, muito mais funções com o corpo do que com o espírito. (…)

O presidente da Companhia de Desenvolvimento de Mato Grosso e a Federação de Agricultura do Estado, dias antes, haviam anunciado a necessidade de “minimizar a ação dos religiosos na região, como a única medida, em sua opinião, capaz de evitar a “subversão”. Mas, apesar da opinião de Muller, o que podia ser visto era um trabalho absolutamente cristão de padres que assistem comunidades pequenas e isoladas “.

Estado de São Paulo, 28 de outubro de 1973.

A detenção da equipe de Casaldáliga

Nesse mesmo ano, a polícia militar ocupa a Prelatura pela primeira vez e realiza a detenção da equipe pastoral do Bispo Casaldáliga e a tortura de Antonio Carlos Moura, colaborador da Prelazia. Três anos depois, o conflito entre Casaldáliga e os latifundiários foi acentuado e resultaria no assassinato, nas mãos de um policial militar, do padre João Bosco Penido Burnier, ao confundi-lo com Dom Pedro.

Não seria senão 33 anos depois, que o governo brasileiro reconheceu o assassinato do Padre João Bosco como crime político. 

Conheça mais de Pedro Casaldáliga.

Receba o nosso boletim mensal!
Enviaremos apenas informações do Bispo Casaldáliga, de sua obra e do trabalho nas suas causas

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies